Connect with us

Bitcoin

O que é Mineração Bitcoin?

Published

on

O que é Mineração Bitcoin?

Se você já se perguntou de onde o Bitcoin vem e como ele entra em circulação, a resposta é que ele é “minado” na existência. A mineração Bitcoin serve para adicionar transações à blockchain e para lançar o novo Bitcoin. O processo de mineração envolve a compilação de transações recentes em blocks e a tentativa de resolver um enigma computacionalmente difícil. O primeiro participante que resolve o quebra-cabeça coloca o próximo block na  blockchain e reivindica as recompensas. As recompensas incentivam a mineração e incluem tanto as taxas de transação (pagas ao mineiro sob a forma de Bitcoin) como o Bitcoin recém-lançado.

A mineração Bitcoin é descentralizada. Qualquer pessoa com conexão à internet e o hardware apropriado podem participar. A segurança da rede Bitcoin depende dessa descentralização, uma vez que a rede Bitcoin toma decisões baseadas no consenso. Se houver desentendimento sobre se um block que deve ser incluído na cadeia de blocos (Blockchain), a decisão é efetivamente feita por um consenso de maioria simples, ou seja, se maior da metade do poder de mineração concordar.

Se uma pessoa ou organização individual tiver controle de mais da metade do poder de mineração da rede Bitcoin, então eles têm o poder de corromper a cadeia de blocos (blockchain). O conceito de alguém que controla mais da metade do poder de mineração e usá-lo para corromper a cadeia de blocos é conhecido como um “ataque de 51%”. Para que este ataque seja realizado depende em grande parte de quanta energia de mineração está envolvida na rede Bitcoin. Assim, a segurança da rede Bitcoin depende em parte da quantidade de energia de mineração empregada. A quantidade de energia de mineração que se usa na rede depende diretamente dos incentivos que os mineiros têm, isto é, a recompensa de bloco e as taxas de transação.

A quantidade de bitcoin novo lançada em cada block  minado é chamada de recompensa de block. A recompensa do block é reduzida para metade a cada 210.000 blocks, ou aproximadamente a cada quatro anos. A recompensa do block começou em 50 bitcoins em 2009, e agora é 25 bitcoins em 2014. Essa redução decrescente resultará de uma liberação total de bitcoins que se aproxima de 21 milhões. De acordo com o protocolo atual do Bitcoin, 21 milhões é a meta a ser atingida, nenhum mais será extraído após esse número ter sido alcançado. As recompensas em blocks fornecem um grande incentivo para os mineiros.

À medida que a recompensa do block diminui ao longo do tempo, eventualmente aproximando-se de zero, os mineiros serão menos incentivados a minar o bitcoin pela recompensa do block. Este poderia ser um grande problema de segurança para o Bitcoin, a menos que os incentivos fornecidos pela recompensa dos blocks sejam substituídos por taxas de transação.

As taxas de transação são uma quantidade de Bitcoin incluída em uma transação como uma recompensa para o mineiro que minia o block em que a transação está incluída. As taxas de transação são voluntárias por parte da pessoa que envia uma transação. Seja ou não uma transação incluída em um block por um mineiro também é voluntária. Assim, os usuários que enviam transações podem usar taxas de transação para mineradores de incentivo para verificar suas transações. A versão do cliente Bitcoin lançada pela equipe de desenvolvimento do núcleo, que pode ser usada para enviar transações, tem regras mínimas de taxa por padrão.

É difícil minar Bitcoins? Bem, isso depende do esforço que está sendo colocado na mineração na rede. Seguindo o protocolo estabelecido no software, a rede Bitcoin ajusta automaticamente a dificuldade da mineração a cada 2016 blocks, ou aproximadamente a cada duas semanas. Ele se ajusta com o objetivo de manter a taxa de descoberta de bloco constante. Assim, se mais energia computacional for empregada na mineração, a dificuldade irá se ajustar para cima para tornar a mineração mais difícil. E se o poder computacional for retirado da rede, acontece o contrário. A dificuldade se ajusta para baixo para tornar a mineração mais fácil.

Quanto maior o nível de dificuldade, a mineração menos lucrativa é para mineiros. Assim, quanto mais mineração de pessoas, a mineração menos lucrativa é para cada participante. O pagamento total depende do preço do Bitcoin , da recompensa do bloco e do tamanho das taxas de transação, mas quanto mais as pessoas minando, menor a fatia dessa torta cada pessoa recebe.

Qualquer pessoa com acesso à Internet e hardware adequado pode participar da mineração. Nos primeiros dias do Bitcoin, a mineração foi feita com CPUs a partir de computadores de mesa normais. As placas gráficas ou as unidades de processamento gráfico (GPUs) são mais eficazes na mineração do que nas CPUs , como o Bitcoin ganhou popularidade, as GPUs tornaram-se dominantes. Eventualmente, o hardware conhecido como ASIC (que representa o circuito integrado específico da aplicação) foi projetado especificamente para mineração Bitcoin. Os primeiros foram lançados em 2013 e foram melhorados desde então, com projetos mais eficientes chegando ao mercado. Hoje, a mineração é tão competitiva, que só pode ser feita de forma lucrativa com as versões ASIC mais recentes. Ao usar CPUs, GPUs ou mesmo os ASIC mais antigos, o custo do consumo de energia é maior do que a receita gerada.

À medida que os ASICs são avançados e mais participantes entram no espaço de mineração, a dificuldade disparou exponencialmente . Muita atividade foi incentivada pelo grande aumento de preços que o Bitcoin experimentou em 2013 e a especulação que o preço pode aumentar ainda mais. Existe também o poder político dentro do ecossistema de Bitcoin que vem com o controle do poder de mineração, uma vez que o poder de mineração essencialmente lhe dá voto para aceitar mudanças no protocolo.

As recompensas de mineração são pagas ao mineiro que descobre uma solução para o enigma primeiro, e a probabilidade de um participante ser o único a descobrir a solução é igual à parcela do poder de mineração total na rede. Os participantes com uma pequena porcentagem do poder de mineração possuem uma pequena chance de descobrir o próximo bloco por conta própria. Por exemplo, um cartão de mineração que poderia comprar por alguns milhares de dólares representaria menos de 0,001% do poder de mineração da rede. Com uma pequena chance de encontrar o próximo bloco, pode ser um longo tempo antes que o mineiro encontre um bloqueio, e a dificuldade em subir torna ainda pior. O mineiro nunca pode recuperar seu investimento. A resposta a este problema é o pool de mineração. Os pool de mineração são operados por terceiros e coordenam grupos de mineiros. Ao trabalhar juntos em um pool e compartilhar os pagamentos entre os participantes, os mineiros podem obter um fluxo constante de bitcoin a partir do dia em que ativam o seu mineiro.

Os principais custos operacionais para os mineiros são o hardware e o custo da eletricidade, tanto para o funcionamento dos mineiros quanto para o fornecimento de refrigeração e ventilação adequadas. Algumas grandes operações de mineração foram propositadamente localizadas perto da eletricidade barata. A maior operação de mineração na América do Norte, administrada pela MegaBigPower, está localizada no Rio Columbia no estado de Washington, onde a energia hidrelétrica é abundante e os preços da eletricidade são os mais baixos da nação. E a CloudHashing opera uma grande operação de mineração na Islândia , onde a eletricidade gerada a partir de fontes de energia hidrelétrica e geotérmica também é renovável e barata, e onde o clima frio do norte ajuda a fornecer resfriamento.

No início deste ano, o IRS emitiu orientações fiscais sobre Bitcoin e disse que o rendimento proveniente da mineração poderia constituir renda por conta própria e ser sujeito a impostos. O FinCEN , a Rede de Execução de Crimes Financeiros, é um departamento do Tesouro dos EUA que coleta e analisa dados sobre transações financeiras com o objetivo de combater delitos financeiros, especialmente o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo. O FinCEN emitiu uma orientação dizendo que os mineiros bitcoin não são considerados transmissores de dinheiro sob a Lei de sigilo bancário e recentemente esclareceram que os provedores de serviços de mineração em nuvem também não são considerados Transmissores de dinheiro.

A mineração de Bitcoin é o meio pelo qual o novo Bitcoin é colocado em circulação, cujo total deve ser limitado a 21 milhões de BTC. Os mineiros estão em uma corrida de armamentos para implantar os últimos chips de mineração de bitcoin e muitas vezes escolhem localizar perto de eletricidade barata. À medida que mais poder de computação é usado na mineração, a dificuldade dos quebra-cabeças aumenta, mantendo a rentabilidade sob controle.

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitcoin

Qual é a definição de Peer to Peer?

Published

on

A rede peer-to-peer ( P2P ) é um sistema descentralizado e distribuído que divide tarefas ou cargas de trabalho entre pares. Os pares são igualmente privilegiados, pessoa com pessoa, formando uma rede peer-to-peer de nós, que executam uma parte de seus recursos, como o processamento, o armazenamento em disco ou a largura de banda da rede, diretamente disponível para outros participantes da rede, sem a necessidade de coordenação central por servidores ou hosts estáveis. Esses nós são fornecedores e consumidores de recursos, é um modelo de comunicação descentralizado no qual cada parte possui as mesmas capacidades e qualquer uma das partes pode iniciar uma sessão de comunicação . Ao contrário do modelo tradicional cliente/servidor , no qual o cliente faz uma solicitação de serviço e o servidor cumpre o pedido, o modelo de rede P2P permite que cada  funcione como cliente e servidor .

Uma rede peer-to-peer é projetado em torno da noção da igualdade de pares (nós) simultaneamente funcionando como ambos os “clientes” e “servidores” para os outros nós na rede. Este modelo de arranjo de rede difere do modelo cliente-servidor onde a comunicação geralmente é de cliente  para um servidor central. Um exemplo típico de uma transferência de arquivo que usa o modelo cliente-servidor é o serviço File Transfer Protocol  (FTP) no qual os programas do cliente e do servidor são distintos: os clientes iniciam a transferência e os servidores satisfazem esses pedidos.

As redes peer-to-peer geralmente implementam de alguma forma a rede de sobreposição virtual em cima da topologia da rede física, onde os nós na sobreposição formam um subconjunto dos nós na rede física. Os dados ainda são trocados diretamente sobre a rede TCP/IP subjacente , mas os pares de camada da aplicação podem se comunicar diretamente, através dos links de sobreposição lógica (cada um dos quais corresponde a um caminho através da rede física subjacente). As sobreposições são usadas para indexação e descoberta de pares e tornam o sistema P2P independente da topologia de rede física.

Normalmente, aplicativos peer-to-peer permitem aos usuários controlar muitos parâmetros de operação: quantas conexões de membros buscam ou permitem ao mesmo tempo; cujos sistemas se conectam ou evitam; quais serviços oferecer; e quantos recursos do sistema se dedicam à rede. Contudo, alguns simplesmente se conectam a algum subconjunto de nós ativos na rede com pouco controle de usuário.

Existem vantagens e desvantagens nas redes P2P relacionadas ao tópico de backup , recuperação e disponibilidade de dados. Em uma rede centralizada, os administradores do sistema são as únicas forças que controlam a disponibilidade de arquivos que estão sendo compartilhados. Se os administradores decidirem não distribuir mais um arquivo, eles simplesmente devem removê-lo de seus servidores, e ele não estará mais disponível para os usuários. Além de deixar os usuários impotentes em decidir o que é distribuído em toda a comunidade. As redes P2P, no entanto, o compartilhamento de arquivos exige que pelo menos um nó na rede tenha os dados solicitados e esse nó deve poder se conectar ao nó que solicita os dados. Este requisito é ocasionalmente difícil de encontrar porque os usuários podem excluir ou parar de compartilhar dados em qualquer ponto. Nesse sentido, a comunidade de usuários em uma rede P2P é completamente responsável por decidir qual conteúdo está disponível. Os arquivos impopulares acabarão por desaparecer e ficarão indisponíveis à medida que mais pessoas deixem de compartilhá-los.

Os arquivos populares, no entanto, serão altamente e facilmente distribuídos, devido a busca o acesso dos mesmos serem maiores, assim numa rede P2P possuem mais estabilidade e disponibilidade do que arquivos em redes centrais. Em uma rede centralizada, uma simples perda de conexão entre o servidor e os clientes é suficiente para causar uma falha, mas em redes P2P as conexões entre cada nó devem ser perdidas para causar uma falha no compartilhamento de dados. Em um sistema centralizado, os administradores são responsáveis ​​por toda a recuperação de dados e backups, enquanto em sistemas P2P, cada nó requer seu próprio sistema de backup. Devido à falta de autoridade central nas redes P2P, os clientes fornecem e usam recursos, isso significa que, ao contrário dos sistemas cliente-servidor, a capacidade de exibição de conteúdo de redes peer-to-peer pode realmente aumentar à medida que mais usuários começam a acessar o conteúdo (especialmente com protocolos como o Bittorrent que exige que os usuários compartilhem). Esta propriedade é uma das principais vantagens do uso de redes P2P, porque torna os custos de instalação e execução muito pequenos para o distribuidor de conteúdo original. A rede peer-to-peer envolve transferência de dados de um usuário para outro sem usar um servidor intermediário. Bitcoin ,Peercoin e a Nxt são criptografia digital peer-to-peer .

 

Continue Reading

Bitcoin

Bitcoin atingiu um novo recorde histórico de $ 4.580, e pode chegar a $5.000

Published

on

Bitcoin atingiu um novo recorde histórico de US $ 4580, enquanto os preços disparam mais de 6%  em 24 horas.

Os dados da Coinmarketcap mostram valores médios de troca cambial em US $ 4576 a partir do horário de imprensa nessa terça-feira, um valor $130  maior que o máximo histórico anterior em 15 de agosto.

Reagindo às notícias, os comentadores da indústria se mostraram rápidos em elogiar previsões precoce dos preços a partir de figuras como John McAfee e Max Keiser , e Draco Fenelon no Brasil, que previram o preço em $ 5000 por moeda.

Houve uma ação similar para Ethereum (ETH) , que cresceu para desafiar seus próprios máximos anteriores nesta semana. Enquanto isso, Litecoin também está traçando novo território, atingindo 1400% de ganhos anuais.

https://pbs.twimg.com/media/DIZq-GRW4AAmXAa.jpg

No Brasil , o Digital Economy, entrou em contato com Draco Fenelon,  analista profissional e considerado por muitos, como um dos melhores especialista em Mercado de criptomoeda do Brasil. Draco já tinha feito a previsão em seu grupo no portal Digitamoney, colocando a possibilidade do preço do Bitcoin chegar a $5.000 até o final de agosto.   Nesse momento o preço esta em torno de $4.535 baseado em dados do https://coinmarketcap.com/currencies/bitcoin/.

Continue Reading

Bitcoin

Analista diz que Bitcoin pode atingir $ 7,500 em breve.

Published

on

O fundador da Standpoint Research disse que o bitcoin pode subir para US $ 7.500 depois que atingiu um recorde histórico de mais de US $ 4.000 recentemente.

Em julho, Ronnie Moas, analista de pesquisa de ações, disse que o preço do bitcoin chegaria a US $ 5.000 em alguns meses .

No momento do relatório, a moeda digital estava negociando cerca de US $ 2.600 e, segundo Moas, estava apenas começando a ganhar força. Ele afirmou que, porque o bitcoin é limitado a 21 milhões de moedas, aumentaria a demanda por eles, ajudando posteriormente a aumentar o preço.

Agora, porém, à luz do contínuo domínio do bitcoin, que atingiu US $ 4,4 mil , antes de retornar para $ 4,000, Moas agora espera que a moeda digital atinja $ 7,500, de acordo com a CNBC .

Ele disse:

“O que está acontecendo é que as comportas estão se abrindo. Eu acredito que existem fundos de hedge e indivíduos muito encobertos que entraram nisso agora, realmente centenas de milhões de dólares.”

Ele também projetou que a moeda digital poderia chegar a US $ 50.000 em 2027. Uma previsão mais otimista veio do investidor acadêmico e bitcoin de Dennis Porto, Harvard, que acha que o preço do bitcoin chegará a US $ 100.000 até 2021 , seguindo a lei de Moore.

Mas, Ronnie Moas, admite que seus números estão “parecendo conservadores”, acredita que as moedas digitais farão parte de “reservas estratégicas” e “modelos de coleta de ativos no futuro próximo”.

Ele adiciona ainda:

 

“Você não pode ver isso como uma situação normal. Estamos em uma indústria que provavelmente irá de US $ 140 bilhões para US $ 2 trilhões e o preço do bitcoin provavelmente se moverá com isso.”

De acordo com Moas, estamos atualmente no mesmo ponto da curva de adoção em 1995 quando passamos de um milhão de usuários da Internet para 10 milhões.

Ele acredita que, à medida que o mercado cresce e mais pessoas invistam na moeda digital, os 10 milhões de usuários de criptografia de hoje irão crescer entre 50 e 100 milhões em alguns anos.

No momento da publicação, o preço da bitcoin é negociado em US $ 4,024 com um limite de mercado de US $ 66,4 bilhões. Todo o valor do limite de mercado vale agora um pouco mais de US $ 133 bilhões.

 

Artigo publicado por : Rebecca Cambell em :https://www.cryptocoinsnews.com/standpoint-research-founder-projects-bitcoin-to-hit-7500/  e foi traduzido por equipe de edição de Digital Economy.

Continue Reading

Trending

Copyright © 2016/2017 - Todos direitos reservados a Digital Economy Brasil e Digital News.

Translate »